Movimento Plástico Transforma

Inovações do plástico na Saúde

Graças à infinita versatilidade dos plásticos modernos e suas propriedades de impermeabilidade, baixo peso, custo, durabilidade, dentre outros, foram possíveis avanços imensos na medicina.

 

Graças à infinita versatilidade dos plásticos modernos e suas propriedades de impermeabilidade, baixo peso, custo, durabilidade, transparência e compatibilidade com outros materiais, avanços médicos que eram impensáveis há 50 anos, hoje fazem parte do dia a dia dos hospitais e, consequentemente, impactam na saúde das pessoas.

As resinas plásticas proporcionaram um grande avanço para a medicina, a ponto de se tornarem imprescindíveis. A principal característica do material é a segurança no uso, que se reflete no tratamento, como no uso de descartáveis, que reduz consideravelmente a chance de contaminação a um custo muito competitivo.

Nos hospitais, plásticos e eletrônicos combinados reduzem a dor dos pacientes e o perigo de doenças, com tecnologias como raios-X e digitalização, que permitem a detecção precoce sem cirurgia exploratória.

Uma das aplicações mais simples na área de saúde é o uso de compressas estéreis para a cobertura de ferimentos (curativos), mas as soluções vão muito além: bolsas de sangue, cateteres, seringas, tubos, luvas, próteses, suturas, stents, obturações, lentes de contato, órgãos artificiais, membranas semipermeáveis para hemodiálise, entre outros.

Conheça alguns dos mais importantes avanços da medicina e como o plástico contribuiu para fazer com que as pessoas vivam mais e melhor.

Seringas

Originalmente as seringas eram produzidas em outros materiais, com alto risco de quebra e sujeitas a problemas de contaminação por deficiência na esterilização. Atualmente, a maioria das seringas usadas é de plástico (Polipropileno- PP), com baixo custo e descartáveis, evitando quase totalmente o risco de contaminação.

Não-tecido

A opção de não-tecido (Polipropileno - PP) tem ganhado cada vez mais espaço nos centros cirúrgicos e salas de exame por serem resistentes, mas também descartáveis. Uma solução mais segura contra a contaminação.

Cateteres

As tecnologias baseadas em cateteres também não seriam possíveis sem materiais plásticos. O cateter é um tubo flexível que é inserido em uma cavidade do corpo para retirar ou introduzir fluido. Também pode ser usado para conduzir uma lente ou medicamento a um tecido doente. Os cateteres usados por períodos curtos são, geralmente, feitos à base de PVC, enquanto aqueles usados por tempos mais longos são geralmente revestidos com poli(tetrafluoretileno) (PTFE) ou borrachas de silicone. Com a ajuda do cateter pode ser inserido o stent - pequena prótese em formato de tubo que é colocada no interior de uma artéria para evitar uma possível obstrução total dos vasos. Produtos como stents são os responsáveis pelo aumento da expectativa de vida de milhares de pessoas.

Hemodiálises

No caso das hemodiálises, o plástico é fundamental. No processo, o sangue deve sair do corpo e passar por um equipamento no qual membranas plásticas semipermeáveis promovem a separação dos componentes prejudiciais do sangue.

Suturas

Muito usadas para fechar ferimentos, as suturas podem ou não ser absorvíveis pelo corpo. As suturas não absorvíveis podem ser de origem sintética (como nylon, poliésteres, polietileno, polipropileno e outras fibras têxteis) e as absorvíveis podem ser de poliglactina, poli(ácido flicólico), polidioxanona e poliglecaprona. Uma solução do plástico para a substituição das suturas naturais que são feitas a partir da mucosa, submucosa ou intestino de ovelhas, materiais que podem ser degradados pelas enzimas do corpo humano.

Próteses

Na ortopedia, o plástico dá suporte ao substituir membros ou corrigir deformidades. E a acessibilidade que próteses de plástico proporcionam ao corpo humano é traduzida em todas as áreas, como, por exemplo, na oftalmologia. Córneas artificiais feitas de silicone, com somente 0,3 a 0,5 milímetros de espessura, podem restaurar a visão, são altamente transparentes, flexíveis e com as mesmas características de uma córnea natural.

Oftalmologia

No dia a dia da oftalmologia, as lentes de contato ocupam lugar de destaque. Foi a introdução das lentes preparadas com polímeros que promoveu os maiores avanços na área de lentes corretivas.

Odontologia

Os plásticos também são fundamentais na odontologia. Os primeiros materiais usados para preenchimentos de cavidades foram gomas, ceras e resinas naturais. Hoje, existem diferentes tipos de obturações e implantes dentários feitos de resinas poliméricas, geralmente à base de (poliácido acrílico) e poli(metacrilato de metila).

Aparelhos auditivos

Pessoas com audição prejudicada conseguem, por meio de um implante plástico, trazer o som de volta às suas vidas. Com vários componentes como microfone e dispositivo de transmissão ligado a microcomputador usado no corpo.

Medicação

Comprimidos com cápsulas de plástico possibilitam liberar, no momento certo, a dose adequada de ingredientes ativos. O polímero à base de ácido tartárico gradualmente se decompõe, libertando lentamente os ingredientes ativos durante um longo período de tempo.

Preservativos

Após o desenvolvimento da borracha vulcanizada, em 1870, os preservativos de látex puderam ser produzidos com baixo custo, e passaram a ser usados como método contraceptivo confiável, barato, compacto e descartável. Impermeáveis ao ar, à água e aos microrganismos, é incontável o número de vidas salvas pelo uso de preservativos em todo o mundo.

A medicina como é praticada hoje não seria possível sem o advento dos materiais plásticos.

Agora você já sabe #plasticotransforma

Fontes:
Impactos ambientais Causados pelos plásticos
Avaliação de Ciclo de Vida – Informativo Braskem
http://www.plasticseurope.org/use-of-plastics/medical-health.aspx

O QUE É FEITO DE PLÁSTICO?

Você já reparou que o plástico está presente em todos os momentos da sua vida?

INVENÇÕES DO PLÁSTICO NA HISTÓRIA

Como foi que o plástico entrou na nossa história?

APLICAÇÕES DO PLÁSTICO

Você faz ideia de quantas soluções cada resina plástica traz para a nossa vida?